Excesso de neurônio é tão ruim como falta

Escova gasta pode danificar dentes e gengiva
22 de outubro de 2018
Antibióticos não funcionam contra tosse, diz estudo
22 de outubro de 2018
Show all

Excesso de neurônio é tão ruim como falta

Fonte: O Globo

Ter neurônios demais não é necessariamente uma boa notícia.
Embora se costume associar a morte de células a doenças, este processo é fundamental para o desenvolvimento de um ser vivo. Mas, embora o funcionamento da enzima caspase — responsável por esta degeneração — fosse conhecido, ninguém sabia por que ela cumpria este papel. O mistério foi desvendado pelo Instituto de Ciências Biomédicas da UFRJ. Em seu novo estudo, publicado pelo “Journal of Neuroscience”, a equipe do neurocientista Stevens Rehen descobriu que, sem esta enzima, ocorrem alterações perigosas no cérebro. Até 80% das células deste órgão ficam com mais ou menos cromossomos do que o esperado.

O Laboratório Nacional de Células-Tronco Embrionárias (Lance), comandado por Rehen, inibiu a atividade da caspase em camundongos. Quando seu funcionamento é anulado, não há morte celular, um processo que ocorre principalmente durante o período fetal, mas que se prolonga até a infância.

— Na formação de vários órgãos do corpo, é preciso matar uma quantidade significativa de células — ressalta Rehen. — Camadas inteiras do cérebro são eliminadas. Se a caspase não estiver ativa, este órgão fica enorme, e o animal não consegue sobreviver mais do que três semanas no útero.

Concluímos que no máximo 30% das células cerebrais podem ter uma quantidade atípica de cromossomos.

OSCILAÇÃO MUITO MAIOR

A ultrapassagem desta cota tornaria inviável o ajuste das sinapses, ou seja, a conexão entre os neurônios. Rehen compara a atividade da enzima caspase à construção de uma estrada: é preciso ajustála para o tamanho dos carros que passarão por ali. Sem a morte celular, a “bagunça” provocaria a morte do animal.

Normalmente, as células de um camundongo têm 40 cromossomos.

Há células do roedor com leves alterações neste número, como 35 ou 45 cromossomos.
Sem a caspase, porém, esta oscilação atinge margens extremas: entre 29 e 51.

— Desativamos a caspase no animal inteiro, mas as consequências mais dramáticas, que provocaram a sua morte, são consequências da ausência de morte celular no cérebro — explica Rehen. — Outros órgãos talvez tolerem isso melhor.

Tecnicamente, podemos reativar o trabalho da enzima, mas este não foi o foco da nossa pesquisa.


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (0) in /home/desenvol/public_html/wp-includes/functions.php on line 3778